O Congresso dos Estados Unidos está com a agenda atrasada

Os republicanos do Congresso dos Estados Unidos iniciaram o ano com uma longa e ambiciosa lista de prioridades que foram marginalizadas durante oito anos do mandato do presidente Barack Obama. Cinco meses depois, a agenda política do GOP está muito aquém das suas expectativas. Um processo mais lento do que o antecipado de confirmação dos candidatos do presidente Donald Trump, o esforço de morte para aprovar um plano de reforma dos cuidados de saúde na Câmara e a controvérsia em curso da Casa Branca sobre a expansão das investigações sobre a Rússia retardaram qualquer momento desde as eleições do ano passado.

O Congresso tem apenas sete semanas de trabalho antes do início de agosto, quando eles demoram cinco semanas para retornar aos seus distritos. A agenda legislativa da queda será preenchida com a batalha sobre o financiamento do governo antes do novo ano fiscal em 1 de outubro – a única coisa em sua agenda que o Congresso é constitucionalmente encarregado de fazer. Em janeiro começa outro ano eleitoral crítico para legisladores, tornando a legislação ainda mais difícil de passar.

O líder da maioria do Senado, Mitch McConnell, repetidamente disse que não está interessado em mudar as regras do Senado do limiar de 60 votos para aprovar legislação para uma maioria de 51 votos. Além disso, as duas partes legislativas que Trump citou são anexadas a uma manobra legislativa raramente usada chamada reconciliação que já permite que essas contas passem com uma maioria simples.

À medida que o Congresso se dirige ao mês de junho, o relatório de progresso sobre a agenda do Partido Republicano vem crescendo:

Revogação de Obamacare

Apesar das promessas do candidato Trump de que ele iria revogar e substituir o Affordable Care Act em seu primeiro dia no cargo, o processo levou muito mais tempo. Após o início, a Câmara aprovou um projeto de lei que reformaria o sistema de saúde da nação. O Senado está atualmente trabalhando em tomar essa legislação e alterá-la, mas isso não está acontecendo rapidamente.

Reforma Tributária

Trump lançou um esboço de uma página em sua ampla visão de reforma fiscal sem detalhes. Os líderes republicanos na Câmara e os chefes de comitês relevantes reuniram-se com o conselheiro de Trump, Gary Cohn, e com o secretário do Tesouro, Steve Mnuchin, para discutir detalhes de uma revisão de impostos empresariais e individuais. Enquanto o trabalho está sendo realizado nos bastidores, os republicanos no monte admitem que a reforma tributária não avançará até que os cuidados de saúde sejam feitos.

A dificuldade de passar pelos cuidados de saúde está diminuindo o ritmo. A renovação de todo o código tributário é politicamente arriscada e, com o futuro em 2018, torna-se mais difícil. Se a reforma tributária não for aprovada este ano, é provável que uma reforma tributária abrangente seja reduzida a uma lei de redução de impostos.

A infraestrutura

Esta nunca foi uma das prioridades dos republicanos do Congresso, mas foi um dos principais itens da agenda do presidente. O Congresso fez pouco trabalho em uma lei de infraestrutura. Em seu orçamento, Trump delineou alguns cursos gerais sobre um plano de infraestrutura que incluiu US$ 200 bilhões no financiamento federal.

Contas de dotações

O Congresso tem a tarefa de aprovar 12 contas de financiamento antes de 1 de outubro. A Câmara deve aprovar as contas de financiamento antes de serem enviadas ao Senado. A Câmara ainda não aprovou nenhuma das contas de dotações.

 

O empreendedorismo brasileiro tem sofrido uma mudança nos últimos anos

O ano de 2017 parece ser o ano da reviravolta da economia após um longo período de recessão que assolou o Brasil. Apesar da crise que se instalou nos últimos anos, houve empresários que viram o seu negócio estabilizar-se ou até mesmo a valorizar. Por isso é necessário que os empresários saibam caminhar a sua empresa para o sucesso, o que só pode acontecer se o próprio tiver a capacidade de conseguir se aperceber das dificuldades da empresa em conseguir fazer um crescimento empresarial.

Adam Nockel, especialista em aconselhamentos de negócios, revela que as condicionantes podem começar logo no início. Muitas vezes os proprietários se condicionam a eles mesmos através da sua fé e das suas crenças. Para além disso, a vida pessoal e a pouca capacidade em conseguir gerir um negócio podem ser outros fatores que trazem perigo para o negócio, “Para que as mudanças comecem a ser feitas, precisamos que os dois lados estejam alinhados. Quando um trabalho de coach é realizado, a pessoa conquista melhorias exponenciais. O amadurecimento e adaptação aos novos conceitos de mercado são aplicados e o negócio progride. Porém, em um determinado momento esse crescimento não continua. É como se alcançasse uma linha imaginária que o impede de seguir adiante e aumentar os números. É aí que identificamos que as barreiras pessoais estão interferindo… E o nosso trabalho de coach precisa e deve continuar para que novas modalidades e características sejam trabalhadas”, refere Adam Nockel, mestrando pela Flórida Christian University nos Estados Unidos da América.

Segundo o coacher em negócios, existem muitos empresários que não conseguem sair da sua zona de conforto, o que torna difícil o crescimento da empresa. Esta limitação impossibilita o empresário de conseguir perspetivar novos desafios e novas oportunidades para o futuro da empresa e levá-la a atingir patamares superiores, mesmo num tempo de crise, como o mesmo refere, “É fundamental entender que a busca por resultados deve ser constante, e para isso, é preciso estar preparado para as transformações”

Após longos anos de estudo e de experiência em lidar com casos destes, Adam Nockel finalizou argumentando que, “Ao longo de minha experiência como coach de negócios, tenho colaborado para destravar as crenças e hábitos, e trazer lucratividade. Todos que acreditaram e desenvolveram este procedimento obtiveram êxito e aumentaram em uma média de 60% o lucro dos negócios. Entramos a fundo na vida de quem se predispõe a encarar a verdade”

Programa de Parceria de Investimentos (PPI) apresenta 55 novos projetos em 2017 – reporta Felipe Montoro Jens

Foram anunciados, no último dia 7 de março, os futuros projetos que serão ofertados à iniciativa privada em um encontro realizado no Palácio Planalto pelo Conselho do Programa de Parcerias de Investimento (PPI). Ao todo, 55 novas propostas foram lançadas, incluindo linhas de transmissão de energia, portos, ferrovias e rodovias. Também foram apresentadas algumas propostas para a renovação de concessões que já estão em vigor, reporta Felipe Montoro Jens, especialista em Projetos de Infraestrutura.

Criado pelo governo federal, o Programa de Parceria de Investimentos almeja proporcionar a ampliação e o fortalecimento das relações entre a iniciativa privada e o Estado. Conforme noticia Felipe Montoro Jens, o programa objetiva priorizar e acompanhar de forma mais próxima os projetos que serão realizados a partir de Parcerias Público-Privadas (PPP), Privatizações e Concessões.

De forma complementar, o PPI busca não apenas a melhoria da qualidade dos serviços de infraestrutura prestados, mas visa também a criação de empregos e desenvolvimento econômico do país. A abertura do encontro ficou sob a responsabilidade do presidente Michel Temer, que informou que os 55 novos projetos injetarão na economia nacional cerca de R$ 45 bilhões. Além disso, os investimentos nas áreas de transporte, energia e saneamento básico possibilitarão a criação de aproximadamente 200 mil novos empregos diretos e indiretos. De acordo com as palavras de Temer “Precisamos fazer logo isso, porque o que mais almejamos é exatamente o combate ao desemprego no País”, relata Felipe Montoro Jens.

Presente na reunião, o Ministério de Minas e Energia apresentou propostas de licitação para 35 lotes de linhas de transmissão de energia, espalhados por 17 estados da federação e que demandarão investimentos da ordem de R$ 12,8 bilhões – conforme noticia o especialista em Projetos de Infraestrutura, Felipe Montoro Jens. Em paralelo, a pasta de Transportes apresentou projetos para concessões em portos, ferrovias e rodovias.

O primeiro conjunto de concessões, que foi apresentado em setembro de 2016, contava com 35 projetos, que também envolviam saneamento, energia e infraestrutura dos transportes – além de petróleo e gás e mineração. Segundo o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, três contratos já foram assinados nesta primeira leva de concessões: um referente à privatização da CELG e dois para a prorrogação de terminais portuários.

A desestatização da CELG Distribuição foi a primeira privatização realizada pelo PPI. Ainda em março deste ano, foram a leilão os aeroportos de Florianópolis, Fortaleza, Porto Alegre e Salvador. Os vencedores desses leilões foram todos grupos estrangeiros: Fraport (Alemanha), Vinci (França) e Zurich (Suíça). Ainda em março, dois terminais do Porto de Santarém, no Pará, também foram leiloados, sendo que o Consórcio Porto Santarém ganhou a disputa. Já no mês de abril, o terminal de Trigo do Rio de Janeiro foi à licitação. Quem venceu o certame foi o Consórcio Maravilha, formado pela M. Dias Branco e Bunge Alimentos.

O Programa de Parcerias de Investimentos, que também deve motivar empreendedores que pretendem investir no Brasil, surge como mais uma aposta do governo federal para alavancar os investimentos no setor estrutural do país e prosseguir com a retomada de crescimento da economia neste momento de crise econômica, reporta o especialista em projetos de infraestrutura, Felipe Montoro Jens.

 

 

Morre o ditador Panamenho Manuel Antonio Noriega aos 83 anos de idade

 

Image result for manuel antonio noriega morenoManuel Antonio Noriega, o ditador panamenho com o rosto picado, cujo fim brutal de seis anos terminou por uma invasão dos EUA, morreu aos 83 anos de idade no dia 29 de maio de 2017. Noriega, que nos últimos anos sofreu de câncer de próstata e sobreviveu a vários acidentes vasculares cerebrais, foi o primeiro líder estrangeiro a ser condenado por crimes em um tribunal dos EUA e serviu mais de uma dúzia de anos em uma prisão americana antes de permitir que ele voltasse para casa no Panamá.

Noriega morreu no Hospital Santo Tomás, na cidade do Panamá, por volta das 11:00 da tarde, hora local. O presidente panamenho, Juan Carlos Varela, também falou sobre a morte, dizendo que sua passagem “fecha um capítulo em nossa história, ele merece um enterro em paz”.

Nascido em 11 de fevereiro de 1934 na Cidade do Panamá, Noriega era filho de um contador que foi abandonado por seu pai aos cinco anos e criado por uma tia. O jovem Manuel encontrou seu chamado nas forças armadas.

Educado em um colégio militar peruano, Noriega chamou a atenção da CIA no início e tornou-se um informante remunerado quando ele subiu nas fileiras da Guarda Nacional do Panamá, que foi encarregado de defender o canal estratégico que corta o país em dois.

Mas mesmo quando ele serviu seus mestres em Washington, Noriega estava tomando rapidamente o poder no Panamá, enquanto se estabelecia como um senhor das drogas em Cahoots com um Cartel em Medellin na Colômbia. Ele transformou seu país em uma narciclotizada corrupta onde alguns dos maiores bancos eram usados para lavar dinheiro de drogas.

Em 1983, Noriega tinha promovido a posição de general e era o governante de fato do Panamá enquanto ainda estava na folha de pagamento da CIA. No ano seguinte, Noriega deu sua benção à primeira eleição presidencial gratuita no Panamá em 16 anos. Mas, quando ficou claro que um rival político venceria, Noriega entrou para se certificar de que seu fantoche era vitorioso nas eleições.

Noriega governou com uma mão de ferro. O crítico de longa data Hugo Spadafora foi confiscado por um esquadrão da morte e seu corpo decapitado e torturado foi encontrado mais tarde envolvido em uma mala de correio do Serviço Postal dos EUA. As manifestações anti-Noriega foram destruídas brutalmente por suas forças paramilitares, conhecidas como “Batalhões de dignidade”.

Quando seus patrocinadores dos EUA se ativaram, Noriega jogou o cartão de corrida para manter o poder, reunindo panamenhos de pele escura como ele contra as “caudas brancas”, descendentes dos europeus brancos que dominavam a economia do país.

Em 1989, os EUA tinham tido o suficiente. E depois que um Marinho dos EUA foi morto, o presidente George HW Bush ordenou que as tropas americanas o prendessem no dia 20 de dezembro daquele ano.

Em 31 de janeiro de 1990, a Operação Just Cause acabou e Noriega estava sob custódia. Dois anos depois, Noriega foi condenado em Miami em oito acusações de contrabando de drogas e agravantes após um julgamento durante o qual a extensão do envolvimento com a CIA foi revelada.

 

Foi condenado a 40 anos de prisão. Ele foi libertado em 2007 depois de 17 anos. Condenado em 1999 por lavagem de dinheiro, Noriega foi enviado para a França onde permaneceu um tempo antes de ser extraditado de volta ao Panamá e preso por crimes cometidos enquanto governava o país, incluindo o assassinato brutal de Spadafora.

Atrás dos bares, Noriega processou sem sucesso os criadores da franquia de videogames “Call of Duty” alegando que eles arruinaram sua reputação. No ano passado, Noriega foi diagnosticado com um tumor cerebral benigno e permitiu retornar à sua casa para preparar uma cirurgia.

Pesquisa revela que adolescentes e jovens americanos não sabem o suficiente sobre amor e sexo

A equipe da Harvard Graduate School of Education, realizou um estudo interessante sobre os adolescentes americanos, revelando que a maioria deles não sabem o suficiente sobre amor e sexo. Segundo os pesquisadores, o que os adolescentes e adultos jovens não sabem sobre amor e sexo pode colocá-los em risco, e sua falta de conhecimento está alimentando uma cultura generalizada de misoginia em que 87% dos adolescentes têm sido assediado, abusado ou assaltado, revelou o estudo.

“Infelizmente, também descobrimos que a maioria dos adultos parece estar fazendo muito pouco para resolver esses problemas sérios”, disse Richard Weissbourd, que liderou a equipe de estudo e que dirige o projeto Harvard’s Making Caring Common.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças relataram no ano passado que 41% dos adolescentes do ensino médio disseram ter tido relações sexuais, um número abaixo dos 47% que ocorreu durante a maior parte da última década. Outros estudos mostram que o sexo casual não é comum entre a juventude dos EUA. “No entanto, de acordo com nossa pesquisa, adolescentes e adultos tendem a superestimar o percentual de jovens que estão procurando ter sexo casual”, disse o relatório Harvard.

“Nos ambientes universitários durante a noite, mesmo aqueles estudantes que não participam da cultura partidária, podem ver ou ouvir – ou ouvir falar de – conversas sobre sexo, ou de competição e drama em torno das relações sexuais entre adolescentes e jovens. Isso pode tornar-se, naturalmente, um tema interminável e fascinante de conversa”, diz o relatório.

“Essa superestimação pode fazer com que muitos adolescentes e jovens se sintam envergonhados porque acreditam que não estão aderindo às normas do que parece acontecer entre os outros e podem pressioná-los a se envolver em sexo quando não estão interessados ou prontos”.

A equipe pesquisou 3.000 pessoas com idades entre 18 e 25 anos, e falou com professores, pais, treinadores e conselheiros para realizar o relatório. Embora as escolas estejam fazendo mais programas de educação sexual, e a internet tenha se tornado a fonte de informação amplamente disponível, os pesquisadores descobriram que os homens e as mulheres em idade jovem ainda não sabem muito sobre amor e intimidade.

“Nós, como uma sociedade estamos preocupados em preparar os jovens para talvez a coisa mais importante que eles vão fazer na vida, que é aprender a amar e desenvolver relacionamentos amorosos e saudáveis”, escreveram os pesquisadores. “Em segundo lugar, a maioria dos adultos parece estar fazendo escandalosamente pouco para prevenir ou efetivamente combater a misoginia e o assédio sexual entre adolescentes e adultos jovens – problemas que podem infectar ambos os relacionamentos românticos e muitas outras áreas da vida dos jovens”.

A pesquisa ainda descobriu que 70% dos jovens adultos desejavam que seus pais conversassem com eles sobre assuntos relacionados a sexo e relacionamentos, como, por exemplo: como evitar uma desilusão amorosa e como ter relacionamentos maduros.

 

Alexandre Gama e a criação de conteúdo publicitário

Estamos em uma era onde o acesso a informação nunca foi tão fácil. Com apenas alguns cliques, podemos saber sobre praticamente qualquer coisa de vários lugares. Essa facilidade faz com que a nossa sociedade, se comunique de maneira mais ampla.

Alexandre Gama, publicitário e empresário, questiona como os moldes da comunicação estão diferentes. Comunicadores tentam levar a mensagem para o máximo de pessoas. Porém, esse conteúdo pode estar sendo feito de maneira equivocada ou “fora de hora”.

A grande quantidade de informação disponível, fez com que surgisse conteúdos ruis ou até mal feitos. A criatividade tem sido posta à prova a todo instante, forçando-a ter que ser feita de maneira rápida e o resultado é uma baixa qualidade de conteúdo.

A forma como a mensagem é propagada pelos os meios de comunicação, ajudou a prejudicar a sua entrega. Digo isso, de que podemos escolher o que consumimos e se uma mensagem é ruim, simplesmente é ignorada, “Aperte aqui para pular esse anúncio” será usado sempre que a mensagem interromper o entretenimento. A busca por resultados rápidos, tem afastado os criativos, atrativo humano essencial para se ter bons conteúdo.

Atrair pessoas interessantes e interessadas em criação de bons conteúdos, tem ficado mais difícil com controle de custos. Alexandre Gama, acredita que para essa era, a criatividade é um bem superior, para a criação bem-sucedida da mensagem.

Distribuir melhor como é alocado o dinheiro, pode ajudar na captação de criativos. Como comunicador e líder de uma empresa, Alexandre Gama acredita que as empresas precisam olhar com cuidado para esse detalhe.

Um bom conteúdo interessante e distribuído de maneira certa, sempre será aceita. Quando a resposta é bem aceita por parte do usuário final, é visível que o que lhes foi apresentado, foi de qualidade.

A maneira com que a indústria da comunicação tem progredido, é surpreende. Anteriormente, um comerciante tinha sua mensagem limitada, por ter ferramentas limitadas. A facilidade ao acesso, tem chegado aos interessados em ouvir sua mensagem.

O meio X a mensagem, tem sido o maior impasse dessa sociedade de comunicação. O meio onde a mensagem será transmitida, pode atrapalhar ou distorcer o modo que chega ao usuário final. Alexandre Gama acredita que uma boa conversa para resolver essas “diferenças” pode melhorar esse relacionamento.

O receptor da mensagem, estará interessado em informações que iram lhe agregar valor. Se o anúncio for desinteressante e nada criativo, será facilmente ignorado. A culpa não é do usuário final, acaba sendo dos anunciantes que não souberam transmitir o verdadeiro sentido

Pensadores e questionadores, como Alexandre Gama, são relevantes para essa indústria da informação. Pensar de maneira crítica, sobre a maneira que geramos as mensagens, aumentará a qualidade dos conteúdos. Informação com qualidade, tende a beneficiar ambos os lados.

Focar na produção de bons conteúdos para séries, filmes, internet e para televisão, é imprescindível. Talvez com esse pensamento em qualidade, o botão de “pular esse anúncio”, poderá ser menos usado. Lembre-se, estamos na Era da informação, comunicar de forma simples e com qualidade, é essencial.

Entender o porquê do desinteresse por parte do consumidor, além de um investimento em qualidade conteúdo, pode ser um marco na forma de comunicar.

 

Pediatras aconselham a não dar nenhum suco de fruta para crianças com menos de 1 ano de idade

Resultado de imagem para alimentação infantil

Pediatras alegam que crianças não devem tomar suco de frutas antes de terem 1 ano de idade. A recomendação foi publicada pela Academia Americana de Pediatria, na revista Pediatrics.

O grupo tinha previamente aconselhado os pais a esperar para oferecer suco até que a criança atingisse os 6 meses de idade, mas decidiu fazer a mudança com base em taxas crescentes de obesidade e preocupações sobre cavidades dentárias.

“Nós realmente não conseguimos ver nenhuma razão por que o suco ainda fazia parte da recomendação potencial para crianças de 6 a 12 meses de idade”, disse o Dr. Steven A. Abrams, presidente do Departamento de Pediatria da Dell Medical School da Universidade do Texas, e co-autor da declaração de política. “Nós recomendamos apenas a amamentação nessa faixa etária, e realmente não há nenhuma necessidade ou papel benéfico para o suco, então nós meio que fizemos esse ajuste”.

É a primeira mudança para as recomendações de suco de fruta da academia desde 2001. Não é “nenhum tipo de ciência mágica nova” que inspirou a alteração, notou Abrams, mas “esta diretriz não tinha sido bem avaliada antes, então nós pensamos que era hora de olhar de perto”.

Comer fruta é mais saudável

Dados dos EUA comprovam que as crianças e os adolescentes continuam a ser os principais consumidores de suco nos EUA. “O que acontece é que o garoto se acostuma com todo o açúcar e deixa de beber água”.

Apesar desta advertência importante, o suco continua sendo uma bebida bastante consumida nos EUA. As novas orientações indicam que 100% de sumo de fruta fresco ou reconstituído pode ser uma parte saudável de uma dieta bem equilibrada para crianças com mais de 1 ano.

Dito isto, a academia aconselha os pais a limitar a quantidade de suco diariamente para crianças entre 1 e 3 anos de idade. As recomendações são de que as crianças comam a fruta em vez de tomar o suco, e se for tomar o suco, que ele seja 100% natural sem adição de açúcar.

A recomendação persiste para crianças entre outras faixas etárias e também serve como recomendação para uma dieta saudável para um adulto. Os especialistas aconselham que os pais deem sempre preferencia por oferecer a fruta fresca aos seus filhos, do que o suco.

A academia também desencoraja fortemente produtos de suco industrializados e diz que o suco de toranja não deve ser servido às crianças que tomam certos medicamentos – ibuprofeno, flurbiprofeno, varfarina, fenitoína, fluvastatina e amitriptilina – porque interfere com seus efeitos.

Finalmente, o grupo diz que o suco de frutas não é apropriado no tratamento da desidratação ou manejo da diarreia. “Estamos principalmente a apoiar que as crianças aprendem a comer frutas em vez de sumo de frutas”, disse Abrams. “Acho que isso vem mais forte do que antes.” A academia salienta que o suco proporciona menos benefícios a saúde tanto das crianças quanto dos adultos, por isso é recomendado beber com bastante moderação.

 

Presidente do conselho do LAUSD, pressiona a administração de Trump por afrouxar os padrões do almoço escolar nos Estados Unidos

Um dia depois de o Secretário de Agricultura Sonny Perdue ter revelado novas e mais descontraídas diretrizes para almoços escolares, o presidente do conselho do Distrito Escolar Unificado de Los Angeles – LAUSD, teve fortes palavras para o presidente Trump sobre essas mudanças.

“O último momento da desregulamentação perigosa aconteceu ontem, enquanto o secretário de Agricultura dos EUA, Sonny Perdue, reverteu os padrões nutricionais das escolas que muitos de nós lutaram arduamente ao longo dos anos”, afirmou Steve Zimmer em comunicado. “Esta também foi uma iniciativa assinada pela ex-primeira-dama Michelle Obama”.

Perdue anunciou novas diretrizes durante uma visita a uma escola primária em Leesburg, Virgínia. Sob as novas regras, algumas escolas serão capazes de servir refeições sem grãos integrais, e uma exigência futura de níveis mais baixos de sódio nas refeições será adiada.

Zimmer também criticou o presidente Donald Trump ao tentar tranquilizar os pais dizendo que o distrito vai ficar com os esforços para servir alimentos saudáveis crianças. “Não duvide que a LA Unified continuará a priorizar a saúde e o bem-estar de nossos estudantes, independentemente das ações da administração Trump, ou da ganância da indústria de alimentos, cuja os únicos interesses são com os possíveis lucros em vez de se preocuparem mais com a saúde de nossas crianças”, disse Zimmer.

As escolas de Los Angeles introduziram alimentos mais saudáveis, mas esses esforços nem sempre foram bons para os alunos, que muitas vezes escolhem alimentos industrializados em vez de saladas e legumes.

Com a sua política de aquisição de Alimentos, o LAUSD mudou no ano passado para produtos de frango isentos de antibióticos nas refeições escolares. O conselho irá em breve considerar um programa piloto para introduzir opções veganas para alimentos escolares. Refeições vegetarianas já estão disponíveis.

O Comitê de Médicos para Medicina Responsável pesou sobre as novas diretrizes em resposta do LAUSD. A organização de Washington, recentemente processou o distrito escolar para tentar forçá-lo a remover a carne processada, como cachorros-quentes e bacon, das refeições escolares. O Comitê de Médicos defende uma dieta vegana, e a maioria de seus 170.000 membros que não são médicos também se opõe aos testes em animais para pesquisa médica.

“Os novos padrões de almoço escolar são um passo atrás na cruzada para fornecer nossa próxima geração com um modelo de comer saudável para seguir, mas eles não sinalizam derrota”, disse Mark Kennedy, vice-presidente de assuntos jurídicos para o Comitê de Médicos. Algumas escolas americanas, como as de Nova York e Denver, servem comida saudável que os estudantes gostam, desde saladas a envoltórios vegetarianos, disse ele.

“Enquanto o Los Angeles Unified School District liderou o caminho ao servir refeições saudáveis para os alunos, eles também caíram para trás – servindo tamales de queijo, churrasco de porco e salgados Salisbury steak com molho padrão para almoço”, disse ele. “Mas sua declaração mostra que eles estão dedicados a fazer melhorias. Espero que sim”.

 

A JHSF aposta na incorporação imobiliária

A empresa brasileira JHSF foi criada em 1972 para prestar os seus serviços em shopping centers nas áreas da imobiliária, gastronomia ou hotelaria, tudo no segmento da alta renda principalmente a renda recorrente na exploração de shopping centers, um aeroporto hotéis e demais projetos imobiliários. Ela foi criada em São Paulo pelos irmãos José Roberto e Fábio Auriemo e outros dois sócios que participaram da sua fundação, ainda que sob o nome de JHS. Durante os anos da década de 80, a empresa atingiu o patamar das maiores construtoras do Brasil e participou em obras de grande tamanho como o Hotel Transamérica Ilha de Comandatuba ou pela pista de provas da General Motors em Indaiatuba.

Na década de 90, a JHS sofreu uma cisão interna, o que levou Fábio, um dos irmãos Auriemo, a ser o único acionista da empresa. A empresa sofreu uma mudança no nome para JHSF e no final da década, a companhia deu um passo importante para o sucesso com a incorporação imobiliária e o investimento em edifícios comerciais para locação. Este era um mercado jovem, com possibilidades de expansão no Brasil, e foi por esta data que se deu as construções em empreendimentos como o Metropolitan Office.

No decorrer da sua história, a JHSF focou o seu investimento em perto de 6 milhões de metros quadrados de empreendimentos de alta qualidade em vários pontos do país. Desta forma pode-se referir a criação de empreendimentos como o Parque Cidade Jardim, que é condomínio de alta qualidade de São Paulo que está ligado à Cidade Jardim Corporate e ao Shopping Cidade Jardim, e Fazenda Boa Vista, que é uma residencial com mais de 800 lotes. A empresa é dona dos shoppings Cidade Jardim em São Paulo, que é hoje uma referência no mercado brasileiro, e que abriga as principais marcas nacionais e internacionais como Rolex, Valentino, Dior, Hermés, Cartier, Chanel, Gucci, entre outras. O Catarina Fashion Outlet, em São Roque no estado de São Paulo, é um dos mais sucedidos empreendimentos do Brasil, assim como o Bela Vista, em Salvador, e o caso de Ponta Negra, em Manaus. A JHSF esteve envolvida na criação de outros shoppings pelo Brasil, contudo a sua importância era reduzida ou a estratégia da empresa não passava pela manutenção e controlo dos mesmos. Esses shoppings são o Shopping Metrô Tucuruvi, o Shopping Metrô Santa Cruz.

Desde o ano de 2007, a JHS é a principal sócia do grupo Fasano. O grupo é uma das referências no que diz respeito ao mercado de luxo, que apresenta perto de 10 restaurantes e coopera em 4 hotéis localizados em São Paulo, Rio de Janeiro, Punta del Este (Uruguai).

A composição das ações da JHS está dividida da seguinte forma: 77% das ações são detidas pela família Auriemo e 22% pelos demais acionistas. A JHSF Internacional conta com atividades nos Estados Unidos e no Uruguai. Entre os empreendimentos construídos pela empresa estão o edifício 815 na 5th Avenue de Nova York, e a incorporação imobiliária do condomínio Las Piedras, em Punta del Este, no Uruguai. O empreendimento apresenta perto de 50 lotes e 20 casas dentro de uma propriedade com 4,5 milhões de metros quadrados.

ONU examina influência de combustíveis fósseis no processo de negociações climáticas

Resultado de imagem para combustíveis fósseis

Os ativistas dizem que deve haver um maior escrutínio dos órgãos da indústria que estão envolvidos nas negociações climáticas da ONU. Grupos ambientalistas alegam que as indústrias de combustíveis fósseis estão financiando uma série de empresas e participantes da indústria nestas negociações. Esses grupos devem ser restritos, dizem os ativistas, pois eles dizem que seu objetivo é retardar ou descarrilar o progresso.

Representantes empresariais dizem que a discussão é uma tentativa de censura. Na última reunião em Bonn, a ONU convocou um curso intensivo especial sobre o papel das organizações observadoras que compõem uma proporção significativa dos participantes nestes eventos. Alguns países, incluindo Índia, China, Indonésia e Equador, pedem regras mais claras e mais rígidas em torno de potenciais conflitos de interesse.

Um relatório recente da Corporate Accountability International forneceu detalhes sobre o que o grupo afirma serem as conexões entre indústrias de combustíveis fósseis e organizações não-governamentais de negócios (ONGs) com ligações ao processo de negociações climáticas da ONU.

“Existem mais de 270 ONGs empresariais e industriais credenciadas na UNFCCC”, disse Jesse Bragg, da Corporate Accountability International à BBC News. “Muitos desses grupos representam os interesses das empresas de combustíveis fósseis em todo o mundo.” “O que muitas partes estão dizendo agora é que precisamos dar uma olhada nas vozes que queremos ouvir no processo de tomada de decisões climáticas.”

Quando perguntado quais as diferenças entre a indústria e os grupos verdes que tentam influenciar o processo, o Sr. Bragg disse: “Grupos ambientais representam o interesse público – esses grupos empresariais representam os interesses financeiros de certas indústrias. Fundamentalmente, estamos falando de representar pessoas ou representar lucros”.

Os defensores de regulamentos mais rígidos dizem que o exemplo da Organização Mundial de Saúde é um bom modelo para as negociações climáticas. A indústria do tabaco não está autorizada a fazer parte das negociações relativas ao Tratado Global do Tabaco. No entanto, um dos grupos que tem sido sustentado no relatório como tendo interesses conflitantes tem fortemente rejeitado a ideia de que ele já participou do processo de negociações climáticas da ONU.

A National Mining Association (NMA) é um órgão dos EUA que representa os interesses de mais de 300 empresas e organizações envolvidas na extração de carvão e recursos minerais. “A NMA está registrada como retirada dessas discussões e instando nosso governo a fazer o mesmo”, disse Luke Popovich, vice-presidente da NMA à BBC News. “Estamos listados em um site da UNFCCC como um observador de um depósito há cerca de 10 anos que nunca foi ativado e nunca foi removido do site”.

Popovich também criticou a tentativa de grupos verdes e outros de restringir as organizações que promovem o uso de combustíveis fósseis de ter um papel nas discussões da ONU.