Veículos que não possuem seguro chega a 80% da frota no Brasil

Com uma renda cada vez mais justa ao orçamento mensal o consumidor enfrenta dificuldades, e pensando nisso, as empresas que trabalham com seguro criaram produtos mais baratos com redução de exigências na aquisição de proteção para veículos. Alguns itens sofisticados deixaram de ser oferecidos ao consumidor devido a essa redução, como carro extra e proteção de vidros, por exemplo.

O total dos veículos que circulam sem seguro chega a ser 80% de toda a frota do país, um número alto devido aos preços dos serviços.

Um seguro contra roubo e furto foi colocado na praça pela multinacional israelense Ituran, com parcelas iniciais a partir de R$ 69,90. Essa categoria cobre perda total se o prejuízo for equivalente a 75% do valor do veículo. Esse produto é oferecido no mercado desde 2009.

Outras seguradoras como a Mapfre, Libert e QBE possuem opções semelhantes criando assim um novo mercado em seguros veiculares. Outra vantagem oferecida é que não é realizada análise de perfil do usuário, o que ajuda as pessoas com idade entre 18 e 40 anos e os que moram em locais onde existe um índice de criminalidade elevado.

De acordo com o diretor comercial da Ituran, Roberto Posternak, esse tipo de seguro custa de 50% a 60% menos para as pessoas com perfil ruim, que se encaixam os jovens, veículos fabricados a mais de 3 anos, pessoas que moram em locais com índices de roubos e furtos e os que utilizam o veículo com frequência. Posternak lembra também os que possuem restrição no nome e acabam não conseguindo ser atendidos pelas seguradoras.

A Ituran vem crescendo desde que iniciou as vendas do rastreamento com seguro com uma taxa de 30% ao ano. Atualmente a seguradora conta com 650 mil veículos ativos em sua base, e recuperou 45 mil veículos nos últimos anos o que equivale a R$ 2,5 bilhões.

Em 2016 foi regulamentado um seguro de carro mais barato pela Superintendência de Seguros Privados, a Suseo, conhecido pelo nome de Auto Popular. Outras empresas lançaram também proteções que utilizam, esporadicamente peças que já foram usadas ou que não são originais para reposição.