Escola britânica usa música em disciplinas para aumentar desempenho de alunos

Após ter sido classificada para a categoria de “special measures”, categoria feita pelo governo britânico para as escolas que têm desempenho “abaixo do padrão de qualidade”, a escola de ensino infantil Feversham Primary Academy, resolveu implantar uma nova estratégia para estimular o aprendizado de seus alunos.

Localizada em Bradford, no centro da Inglaterra, a escola primária que iniciou esta década com o ensino considerado ruim para o país, busca mudar as perspectivas de classificação dentro de seis anos através de uma modalidade de ensino diferente que combina música com a grade curricular.

As crianças que passaram a ter uma modalidade diferenciada de ensino possuem entre 2 e 11 anos de idade. Desde que a escola passou por mudanças para melhorar o ensino, os alunos escutam música o tempo todo.

As aulas são diferentes para cada faixa etária, mas de um modo geral, há aulas em que os alunos formam o quedra-cabeça chinês Tangram enquanto escutam música clássica. Há outras em que eles cantam, batem palmas e ainda resolvem problemas de multiplicação. Na aula de literatura, por exemplo, os poemas são recitados como se fossem rap. Já na aula de história, há uma seleção de músicas que auxiliam no aprendizado que corresponde desde a era vitoriana até a era de explorações realizadas pelos vikings.

A escola identificou diversas dificuldades que comprometem a qualidade do ensino ao longo dos anos, dentre elas estão: a região em que a escola está localizada é uma das que mais possuem índices elevados de criminalidade e outras tensões sociais; os alunos são em grande parte de origem paquistanesa, ou seja, possuem o inglês como segundo idioma.

O diretor da escola britânica, Naveed Idrees, disse sobre as estratégias adotadas pela equipe de ensino: “Tentamos métodos variados para melhorar o ensino: aulas de história e literatura, de cidadania, palestras com grupos religiosos e comunitários”.

Por fim, ele explica como o método atual foi aplicado: “Logo ficou claro que esses métodos convencionais não eram apropriados para a idade e para o contexto social com os quais trabalhávamos. Precisávamos de uma alternativa.”

Segundo Idrees, a alternativa mais apropriada e escolhida pela instituição foi incluir a arte e a música como método de ensino, além de aliados importantes como os jogos e as brincadeiras em todas as disciplinas da grade curricular britânica.