Luiz Carlos Trabuco Cappi assume presidência do conselho do Bradesco

O Bradesco anunciou que Luiz Carlos Trabuco Cappi, seu atual presidente-executivo, irá comandar temporariamente a presidência do conselho de administração, acumulando as duas funções no banco. Em março de 2018, um novo executivo será eleito para assumir o cargo.

A troca acontece após a renúncia de Lázaro de Mello Brandão, que ocupava a presidência do conselho desde 1990. Aos 91 anos, Brandão ainda irá presidir os conselhos das empresas controladas pelo grupo. Ele aprovou a chegada de Trabuco no cargo e disse que o executivo “reúne todas as condições para realizar um bom trabalho”.

A saída foi realizada por iniciativa do próprio Brandão, que convocou o conselho do banco e propôs sua renúncia. “A necessidade de conseguir um conselho ativo me trouxe a consciência de que a sucessão por novas disposições para o trabalho que preservamos era prudente”, afirma.

Trabuco reconheceu a contribuição de Brandão na construção de um sistema bancário moderno no Brasil. De acordo com o executivo, ele foi um “homem participante de todos os grandes momentos pelos quais a economia passou nos últimos 75 anos”.

Luiz Carlos Trabuco Cappi começou sua carreira no banco em 1969. O bancário, formado pela UNESP em Filosofia, Ciências e Letras, foi também presidente da seguradora do banco antes de comandar a presidência executiva. Trabuco, 66 anos, preside o Bradesco desde 2009.

O executivo foi responsável por uma das maiores fusões do setor bancário com a compra por 5,2 bilhões de dólares do HSBC no Brasil pelo segundo maior banco privado do país. Como as normas da instituição financeira não autorizam o acúmulo de cargos ou funções, o bancário terá que deixar a presidência executiva até março do ano que vem.

O próximo presidente-executivo que irá substituir Luiz Carlos Trabuco Cappi em março de 2018 será um dos membros da diretoria. O banco tem a tradição de escolher executivos do grupo para comandar a casa. “Somos um banco que privilegia a prata da casa”, frisa Trabuco.

Segundo Luiz Carlos Trabuco Cappi, seu sucessor ainda não tem nome e será escolhido após uma reunião do colegiado, quando acontece a eleição. “Será um processo normal e rotineiro, respeitando os talentos para o exercício dos cargos da organização”.

Para ele, um dos maiores desafios que o novo presidente terá pela frente será em relação à ambientação digital de clientes que ainda não estão familiarizados com a plataforma. “Nós temos apenas 14 milhões dos 27 milhões de clientes que fazem transações digitais. Os outros terão de ser alfabetizados. Tecnologia sem olhar para as pessoas é lugar comum”, explica.

O banco deve entregar o nome do novo presidente-executivo ao Branco Central após uma assembleia geral de acionistas do grupo. É provável que o nome seja selecionado antes mesmo do prazo informado.

Constituído por oito membros, o conselho que Luiz Carlos Trabuco Cappi presidia fica com um integrante a menos até a nova seleção. Há ainda planos de aumentar o número de membros, mas o banco informou que no momento não há definição a respeito.