Áreas urbanas possuem a maior parte da população brasileira

Uma das características dos grandes centros urbanos é o alto número populacional. Uma pesquisa realizada mostra que as áreas consideradas urbanas no Brasil equivalem a menos de 1% do território nacional (0,63%), e nesse espaço vivem 190,7 milhões de pessoas, chegando a 84,3% da população brasileira.

Uma pesquisa minuciosa foi realizada para identificar as áreas urbanas no país. Diversos profissionais estiveram envolvidos no trabalho. No estado de São Paulo, a Embrapa Gestão Territorial realizou um estudo para o mapeamento e quantificação das áreas urbanas. Foram necessários três anos para que os estudos pudessem ser concluídos, foi preciso a observação de centenas de imagens de satélite.

De acordo com os resultados do estudo, a cidade com a maior densidade populacional urbana é Nilópolis, com seus 158.309 moradores que estão em um espaço de 10 km² o que ocasiona mais de 16 mil habitantes por quilômetro quadrado.

As cidades que possuem mais de 200 mil habitantes como Diadema, na Grande São Paulo, possuem uma área urbana intensamente povoada, a média é de 13.875 moradores por cada quilômetro quadrado.

Na comparação entre as unidades da federação, quem está no topo da lista de maior densidade demográfica urbana é o Estado de Alagoas, no nordeste, com 4.880 pessoas por quilômetro quadrado. Na lista de municípios com maior área urbana estão liderando São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília.

O estado de Tocantis está entre as regiões cujas áreas urbanas têm menos densidade populacional, com uma média de 1.538 moradores por quilômetro quadrado.

De acordo com o geógrafo, principal autor da pesquisa e analista da Embrapa, André Rodrigo Farias, os diversos desafios que existem podem ter soluções mais práticas através de uma orientação mais direcionada das políticas públicas, estudos demográficos e projetos de desenvolvimento urbano que se baseiam nos resultados apresentados. Quanto mais pessoas habitam em um local, maiores são as necessidades de infraestrutura e logística.

Encontrar as melhores soluções com os dados específicos do número de habitantes dos centros urbanos e a quantidade do território ocupado, é uma forma de abrir o entendimento para uma melhor exploração e equilíbrio da densidade populacional.