Pesquisa da um passo importante para entender melhor a esquizofrenia

Uma pesquisa realizada por cientistas na França foi pioneira na identificação do especifico lugar do cérebro responsável pelas alucinações auditivas que pessoas que sofrem de esquizofrenia “escutam”. Esse problema aflige mais de 69% dos esquizofrênicos.

No teste realizado com voluntários, Vinte e seis pessoas com essa doença receberam uma estimulação magnética transcraniana (EMT). É um método muito utilizado em pacientes com doenças psiquiátricas, que consiste em levar pulsos magnéticos dentro da cabeça. E outras trinta e três pessoas foram medicadas com um placebo.

A pesquisa durou 48 horas. Os voluntários foram expostos a esse tratamento duas vezes por dia nesse período, com foco especifico numa área cerebral no lobo temporal. Depois de 14 dias essas pessoas foram reavaliadas. Dentre os que foram tratados com EMT, um pouco mais de 1 terço das estimulações demonstraram efetividade. Dentre aqueles 33 que receberam o placebo, aproximadamente 10% tiveram algum tipo de sucesso relevante.

Uma professora de uma Universidade na França explicou como essas alucinações podem ser perturbadoras para os pacientes e para quem conviver com ele. Ela ressaltou que a grande importância desse estudo é encontrar a área anatômica no cérebro por onde as alucinações são evocadas. Mas ela disse que eles ainda possuem um longo caminho pela frente.

Um Neuropsiquiatra, Ricardo Oliveira, falou sobre o funcionamento dessas vozes em pessoas que sofrem de Esquizofrenia. Ele disse que essas pessoas possuem total certeza de que realmente estão ouvindo elas. E que na maioria das vezes não são agradáveis. Ele explica que é um erro achar que tais alucinações auditivas acontecessem no interior da cabeça da pessoa. Ele ressaltou que na realidade elas são externas, como se alguém realmente falasse com a pessoa.

Segundo o Ricardo Oliveira, atualmente o tratamento provoca danos colaterais, por causa do uso de medicamentes fortes como calmantes e sedativos. Por isso essa descoberta do uso do EMT é tão importante.

Ricardo Oliveira ressaltou que o EMT já é usado para combater a depressão e que seus efeitos são temporários nessa doença. Ele disse que a aplicação da estimulação magnética é cara e por isso nunca é usado como o tratamento principal. No momento que for usada para combater a esquizofrenia, ele não acredita que será suficiente para curar alguém das alucinações.