Cientistas criam pulseira capaz de detectar diabetes e fibrose cística através do suor

Atualmente há um grande número de aparelhos médicos que servem para controlar a frequência cardíaca, para medir a atividade do sono, e até mesmo para contar as calorias que o corpo gasta, mas todos eles tendem a se concentrar em parâmetros físicos que fornecem apenas informações limitadas sobre a nossa saúde. Agora, uma equipe de cientistas desenvolveu um dispositivo que, através do suor, pode detectar doenças como a fibrose cística ou diabetes.

Pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade de Stanford (EUA) criaram um dispositivo, semelhante a uma pulseira, que provoca e recolhe o suor de forma não invasiva. Depois mede sua composição molecular e envia os resultados eletronicamente para uma análise que fará o diagnóstico subsequente do paciente. O estudo foi realizado em colaboração com a Universidade da Califórnia-Berkeley (EUA). Os especialistas, cujo trabalho foi publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS, realizaram dois estudos diferentes com o sensor.

Os cientistas determinaram que a pulseira pode ser útil para detectar doenças tais como fibrose cística, uma condição que causa o acumulo de muco nos pulmões e pode ser detectado por níveis elevados de íons de cloreto na transpiração de uma pessoa. Além disso, eles têm usado este dispositivo para comparar os níveis de glicose no sangue e no suor, sendo assim, o dispositivo também consegue identificar o diagnóstico de diabetes.

O dispositivo é uma grande fonte de informação e também de fácil acesso para diversas aplicações, explicou o pesquisador Ronald Davis em um comunicado. O sensor, que adere à pele, estimula as glândulas sudoríparas e, assim, detecta a presença de diferentes moléculas e íons com base nos seus sinais elétricos. Dessa forma, quanto mais existe cloreto no suor, mais tensão ocorre no sensor.

Durante o estudo, o sensor detectou um elevado teor de eletrólitos no suor de três doentes com fibrose cística, em comparação com os seis pacientes saudáveis. Além disso, eles também detectaram níveis elevados de glicose no suor em seis dos sete pacientes saudáveis após terem consumido oralmente uma quantidade de glicose.

Até agora, os métodos convencionais para o diagnóstico da fibrose cística, necessitam que o paciente dirija-se até um centro especializado e realize um procedimento que dura cerca de 30 minutos para realizar a estimulação. Feito isso é recolhido uma amostra e é feito uma análise de suor para investigação. Este processo costuma ser algo particularmente problemático quando aplicado em crianças ou em locais remotos.

O novo dispositivo é durável e pode trabalhar com um telefone inteligente, que envia as medições para uma nuvem e recebe os resultados, que é revisado por um pessoal qualificado. Além do diagnóstico, o dispositivo também pode ser útil no desenvolvimento de medicamentos e personalização. A fibrose cística é causada por qualquer um das milhares mutações que podem afetar o gene CFTR, e com este dispositivo, também seria possível determinar quais os fármacos que mais funcionam para cada mutação.

Agora, a equipe trabalha para determinar e encontrar outras ligações entre as medidas do suor e da saúde. Com isso, eles pretendem integrar o dispositivo em um relógio inteligente, ou em um formato similar, para que ele possa ser acessado por uma população mais ampla. A investigação científica tem indicado que isso vai além do desenvolvimento de um dispositivo, porque é “uma nova forma de compreensão da saúde”.