Tratamento de diabetes sem remédio será a fonte de uma nova pesquisa da USP

Uma nova pesquisa que visa o tratamento de diabetes sem o uso de medicação será realizada pela FMRP/USP – Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. Os estudiosos lançaram o convite para pessoas que portam o tipo 2 da doença, com idade entre 30 e 60 anos, para participarem voluntariamente da pesquisa. Para isso eles já deixam bem claro que o participante não poderá fazer uso da insulina e nem apresentar disfunções no metabolismo, tendo como base, o colesterol e os triglicérides acima de 200 mg/dL.

A equipe acadêmica quer estudar um novo método de tratamento da doença com o auxilio de uma dieta totalmente personalizada e restritiva. Rafael Ferraz, que é pesquisador do Departamento de Endocrinologia da FMRP/USP, disse sobre a pesquisa: “Nós vamos de encontro à indústria farmacêutica, que sempre entra com remédio. Nós não entramos com remédio”. O pesquisador aponta para a objetividade do tratamento com remédio em se tratando da movimentação de muito dinheiro por meio da indústria farmacêutica. Além do que é valido lembrar que a mesma indústria que vende o remédio, também vendo o veneno em forma de, gorduras trans, transgênicos, excesso de sódio e açúcar.

A professora Maria Cristina Foss-Freitas, ao lado do coordenador do estudo, Rafael Ferraz, desenvolveram uma espécie de protocolo alimentar especialmente para tratar a doença. O protocolo consiste na pouca ingestão de calorias, até que o metabolismo energético seja ativado sem que o paciente entre em estado de desnutrição.

Ferraz salientou: “A gente conseguiu achar uma fórmula matemática e transformá-la em alimento, em macronutrientes ideais para cada paciente e reverter a diabete”. O pesquisador se mostra totalmente entusiasmado com o protocolo criado por eles, e dá indícios de que o método funciona: “Dados preliminares de sete pacientes mostram que conseguimos controlar a diabete e a dislipidemia, além de reduzir os níveis de pressão a índices saudáveis.”

O acompanhamento dos pacientes é feito periodicamente pelos pesquisadores através de exames clínicos, bioquímicos e moleculares para saberem como o organismo está reagindo. O tratamento tem duração de apenas 27 dias, e já está sendo feito com alguns pacientes no Hospital das Clínicas da FMRP/USP, na cidade de Ribeirão. No entanto, ainda existem 33 vagas disponíveis para aqueles que querem experimentar a possibilidade de se livrar dos remédios além de colaborar com uma pesquisa que pode mudar o tratamento de diversas doenças.

Os interessados em se voluntariar podem enviar um e-mail para: [email protected]. É requerido que o voluntário envie resultados recentes de exames com os dados de glicose, colesterol e triglicérides para poder avaliar o estado do paciente e afirmar se ele pode participar da pesquisa. Se o voluntário se enquadrar com o protocolo necessário para a pesquisa, irá receber maiores informações pela equipe de pesquisadores para que possam prosseguir até o local do estudo.