Com alta tecnologia o Copa Star pretende atender casos complexos

Os pacientes de alta complexidade que precisavam de um atendimento de primeira ponta que antes faziam a ponte aérea Rio/São Paulo agora têm a opção de ficarem no Rio de Janeiro por causa do Copa Star. De acordo com o médico cardiologista e presidente do conselho da Rede D’Or São Luiz, Jorge Moll: “Não existia nenhum hospital como o Sírio e o Einstein aqui no Rio de Janeiro, neles são atendidos os pacientes de alta complexidade que precisavam fazer a ponte aérea”. A inauguração do Copa Star aconteceu em outubro de 2016 em uma localização nobre, o hospital está na Rua Figueiredo Magalhães, em Copacabana, no Rio de Janeiro.

 

A Rede D’Or São Luiz é o grupo responsável pelo Copa Star. Com um investimento de 400 milhões reais para a construção do hospital e mais 100 milhões de reais para os aparelhos de alta tecnologia, o complexo hospitalar tem como prioridade um excelente atendimento com seus recursos tecnológicos sem deixar para trás o toque acolhedor e humano que um hospital precisa ter. Procurando se distanciar dos tradicionais hospitais o Copa Star tem um ambiente que traz uma visão e uma experiência diferente que não está ligada a muitos outros complexos hospitalares. Em seu hall de entrada além da sofisticação um aroma de toques amadeirados com tons cítricos traz uma exclusividade para todos que frequentam o lugar. Pelos corredores será possível ver obras de arte de Yutaka Toyota, serão 231 obras de arte dentro do Copa Star dando um requinte jamais visto em nenhum hospital brasileiro.

 

Em termos de tecnologia o Copa Star tem equipamentos de ponta presentes à disposição de seus pacientes para uma maior comodidade. O hospital possui iPads nos quartos com um aplicativo exclusivo e colchões que se ajustam com o formato do corpo. Com o iPad o paciente terá a possiblidade de controlar a iluminação, a climatização, as cortinas e a cabeceira da cama, além disso funcionalidades de comunicação estarão disponíveis caso o paciente necessite chamar os médicos e os enfermeiros do complexo.

 

Uma novidade que faz a diferença é que existem salas híbridas em que o paciente no momento da cirurgia poderá ter a possibilidade de ser monitorado, e de que exames sejam realizados de acordo com a necessidade. Os corredores do hospital têm uma área separada para a circulação de macas e de enfermeiros que se diferem da família e dos visitantes.

 

Essa nova unidade da Rede D’Or tem como objetivo um atendimento de excelência no ramo da medicina e também disponibilizar uma estrutura para o paciente digna de um hotel 5 estrelas. E como um hospital não é feito apenas de infra-estrutura, uma equipe de profissionais composta por 550 pessoas fará parte do alto padrão de qualidade do lugar. Dentre os profissionais 113 são médicos com experiência e reconhecimento no ramo.

 

A forma de pagamento para o atendimento não está restrita apenas a dinheiro, o hospital terá diferentes meios para pagamento e também receberá planos de saúde que tenham uma cobertura equivalente aos serviços prestados na unidade.