2017 foi um excelente ano para a produção agrícola brasileira segundo o governo

 

A agricultura brasileira teve um ano excepcional em 2017 com uma supersafra de 238 milhões de toneladas de grãos. Um acontecimento histórico de acordo com o Secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, o Mapa, Neri Geller.

Para o secretário, a maior atribuição do resultado e a associação dos fatores positivos colaboraram para estabelecer o país como um dos maiores em agronegócio no mercado global. O Plano Agrícola e Pecuário disponibilizou as ferramentas necessárias para o produtor trabalhar com segurança e tranquilidade, segundo o secretário.

A mobilização de recursos no balanço da Política Agrícola de 2017, alcançou os R$ 188,3 bilhões em crédito rural, operações de plantio, custeio e comércio para a safra 2017/2018. Foram R$ 550 milhões para o Seguro Rural e para o apoio ao comércio da Política de Garantia de Preços Mínimos foram R$ 1,4 bilhão.

Os recursos de investimento em armazenagem também estão assegurados em R$ 1,6 bilhão. O Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural, o Pronamp, disponibilizou R$ 18 bilhões para o custeio e R$ 3,7 bilhões para investimentos de um total de R$ 21,7 bilhões de acordo com Geller.

Uma parte integrante da Política Agrícola no ano passado, foi a modernização da produção agrícola. Geller lembra que o programa de Inovação Tecnológica possibilitou uma linha de crédito para a conectividade no campo, que ajudou na melhora da gestão das propriedades rurais através do acesso a internet e a informação. O programa de financiamento de equipamentos agrícolas precisos dispõe de R$ 1,26 bilhão com um limite por produtor de R$ 1,1 milhão.

A Modernização da Frota de Tratores e Implementos Associados a Colheitadeiras também foi outro fator de destaque segundo Geller, que teve uma ampliação de 82% e contando com R$ 9,2 bilhões. Esse programa dispões o financiamento de até 90% de implementos e máquinas agrícolas com um prazo de pagamento de até 84 meses. O limite de custeio por produtor é de R$ 1,5 milhão e o prazo para pagamento dos produtores de grãos é de 14 meses.

 

Recebimento de presentes em empresas sem ferir o compliance – com Bruno Fagali

Seguir à risca as normas de compliance de uma empresa pode ser uma tarefa bem mais complicada do que parece – tanto para os funcionários de grau hierárquico mais baixo, como para o alto escalão da organização. Tal situação fica ainda mais complicada o período de festividades de final de ano. A questão foi levantada por Antonio Carlos Hencsey, que atua como líder de práticas de Ética & Compliance da consultoria internacional especializada em governança, tecnologia, risco, auditoria interna, operações e finanças Protiviti, reporta o advogado Bruno Fagali.

Conforme sinaliza Hencsey: “O objetivo principal por trás da troca de lembranças e presentes é o fortalecimento das relações entre parceiros comerciais, todavia, o recebimento de mimos mais sofisticados, como ingressos para shows musicais ou teatrais e jantares em restaurantes famosos, podem desenvolver, no ambiente de trabalho, uma cortina inadequada de influências externas.”. O especialista ainda noticia que existe a necessidade de tomar algumas precauções ao receber presentes e lembranças dos fornecedores e parceiros, algo bastante comum durante o final do ano. Para Hencsey, o fato de um empregado ou diretor de empresa receber mimos de terceiros, pode acarretar mal-entendidos como recebimento de propinas. Além disso, a atitude pode desprestigiar a reputação da empresa e ferir as normas do código de ética e conduta da corporação, ressalta Fagali.

Contudo, é válido destacar que o recebimento de brindes de baixo valor – canetas, bloquinhos de anotação, canetas, pen drives, chaveiros e calendários, normalmente customizados com a logomarca da empresa – não podem ser enquadrados como gratificações suspeitas. Nessa categoria, salienta o expert em compliance, devem ser considerados os presentes com valor superior a R$ 150, pois, podem influenciar diretamente o discernimento e a objetividade das decisões comerciais do recebedor do presente, reporta Bruno Fagali.

Entre os cuidados que devem ser tomados para que a empresa continue íntegra em relação ao cumprimento das regras de compliance e ética, mas, ao mesmo tempo não aparente falta de cortesia diante o recebimento de mimos, estão: esclarecer a todos os colaboradores as normas de recebimento e oferecimento de presentes; e determinar um preço máximo para os presentes que podem ser aceitos, noticia o advogado. Conforme aconselha Antonio Carlos Hencsey, lembranças com valor superior a R$ 100 já não podem ser caracterizados como itens de baixo valor.

O especialista da Protiviti também enfatiza a necessidade de orientar os membros de níveis hierárquicos mais elevados a “darem o exemplo”. Para Hencsey, os líderes de empresa, em diversas situações, recebem presentes mais caros, como forma de estreitar os vínculos com parceiros da corporação – entretanto, também eles devem seguir à risca todas as normas estabelecidas. Ao receber um presente, pontua o especialista, mesmo o presidente da empresa deve seguir as orientações de compliance e reforçar a importância da prática para a organização. Embora o funcionário acredite que nunca irá se deixar influenciar pelos mimos recebidos, Hencsey alerta que ninguém consegue ser 100% neutro nesta situação e sempre existirá um vínculo ou conexão criado a partir dessa ação, reporta o sócio-fundador da FAGALI advocacia.

 

Salário mínimo em 2018 é de R$ 954 segundo decretado assinado pelo presidente

O decreto assinado pelo presidente da República Michel Temer no final de dezembro estabelecia o valor do salário mínimo para R$ 954 em 2018, um aumento de R$ 17 reais em relação ao anterior.

A publicação foi feita no Diário Oficial da União e sua validade passou a vigorar desde o dia 1º de janeiro deste ano. Esse foi o menor reajuste dos últimos 24 anos e também ficou abaixo da estimativa que o Congresso Nacional havia aprovado de R$ 965. O governo espera uma economia de R$ 3,3 bilhão este ano.

O decreto também estabelece um valor diário correspondente a R$ 31,80 e o valor da hora de R$ 4,34. O valor é 1,81% maior que o salário mínimo de 2017. No Brasil entre aposentados e pensionistas que recebem o benefício pagos em partes pelo governo federal totalizam 45 milhões de pessoas.

O valor baixo no reajuste do salário mínimo tem relação com a fórmula de correção realizada de um ano para outro, e leva em consideração a variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) do ano anterior e o resultado do Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos antes.

O cálculo de 2018 está somando o PIB de 2016 e o INPC de 2017. Como o PIB brasileiro em 2016 foi negativo a conta foi feita baseada somente pela variação do INPC. No caso o INPC teve 1,81% de variação estima o governo, e o percentual exato só foi informado em janeiro.

A variação do INPC foi de 1,80% entre os meses de janeiro e novembro do ano passado. A estimativa de variação do INPC foi de 2,16% no ano segundo a recente avaliação do Banco Central.

O ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, disse que no ano passado o reajuste foi acima da fórmula determinada para o salário mínimo, devido a isso em 2018 esse excedente foi abatido.

Para o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos, o Dieese, o reajuste do salário mínimo ficou abaixo da variação do INPC, o que não ocorria a cinco anos.

Segundo o ministro, a lei é precisa na fixação da variação do INPC do ano anterior e o PIB de dois anos antes para corrigir o salário mínimo.

 

Em 2018 a conta de energia pode custar R$ 18 bilhões ao bolso dos brasileiros

Os brasileiros irão gastar R$ 18,8 bilhões a mais com energia elétrica em 2018, segundo decisão da Agência Nacional de Energia Elétrica, a Aneel, nos valores com subsídio ao setor elétrico. Os valores terão como destino a Conta de Desenvolvimento Energético.

O choque das tarifas de energia será diferenciado para as regiões Norte e Nordeste, segundo a Aneel, pois lá o reajuste será de 0,77% na conta. Já para os moradores das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste os reajustes das tarifas chegarão a 2,72%.

As aplicações da Conta de Desenvolvimento Energético abrange também o subsídio da conta de energia de famílias de baixa renda, indenizações a empresa e combustível utilizado nas usinas termelétricas. As usinas termelétricas geram energia para o programa Luz para Todos da região Norte do país.

O programa Luz para Todos originado no final do ano de 2003 para acabar com falta de luz elétrica e levá-la o acesso gratuitamente a todos, e até 2008, levou chegou a 10 milhões de pessoas. A coordenação do programa era feita pelo ministro de Minas e Energia, com operação da Eletrobrás e executado pelas concessionárias de energia elétrica e cooperativas rurais em parceria com os governos estaduais.

No ano passado a Conta de Desenvolvimento Energético arrecadou 20% a menos que o esperado para o próximo ano, chegando a R$ 15,9 bilhões. Entre as previsões de aplicação no ano que vem estão os pagamento tarifários na distribuição de energia que chegarão aos R$ 6,9 bilhões.

O sistema isolado das termelétricas da região Norte ficarão com R$ 5,3 bilhões dos valores arrecadados. Os consumidores de baixa renda, as despesas com generalização do serviço de energia receberá R$ 2,4 bilhões e o programa Luz para Todos R$ 1,1 bilhão.

As usinas nucleares de Angra 1 e 2 terão reajuste de 74,4% na tarifa de 2018 segundo decisão da Aneel, que entrarão em vigor no dia 1º de janeiro. A tarifa das usinas que recebem a energia usinada passará de R$ 224,21 por megawatt-hora para R$ 240,80 por megawatt-hora. O montante médio de 2018 foi de 1.572 megawatt-hora. Os valores fixados para as usinas em 2018 foi para R$ 3,316 bilhões, sendo o valor anterior de R$ 3,087 bilhões.

 

Felipe Montoro Jens comenta a implantação da ferrovia Ferrogrão e sua importância para o país

A ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) promoverá um leilão destinado à construção de uma nova ferrovia. Trata-se da Ferrogrão, uma abreviação de “Ferrovia do Grão”. Também referida como EF-170, estima-se que a obra corte as cidades de Sinop e Miritiba, localizadas nos estados de Mato Grosso e Pará, respectivamente. Felipe Montoro Jens, especialista em Projetos de Infraestrutura, informa que a obra poderá se estender ao longo de mais de 1.000 km, atravessando uma região composta por florestas e matas regionais.

Planejada para durar 65 anos, a concessão terá como vencedor aquele que fizer a melhor oferta de outorga ao governo, pontua Felipe Montoro Jens. De acordo com informações oficiais, o leilão será iniciado com um lance de R$ 0,01. Além de construir a ferrovia, a empresa que atuará como concessionária também se encarregará de implantar a estrutura necessária para que os trens operem no local. Até mesmo o próprio funcionamento ferroviário ficará a cargo da companhia vencedora.

Felipe Montoro Jens reporta que os estudos de viabilidade do empreendimento já foram iniciados. A futura construção se dará dentro do chamado PPI (Programa de Parceria de Investimentos). Conforme esclarece o portal da iniciativa, os investimentos necessários à concretização do projeto totalizarão R$ 12,6 bilhões. O principal objetivo da Ferrogrão, segundo informações governamentais, será o de promover uma espécie de corredor voltado à exportação de produtos através do Arco Norte.

O PPI também esclarece de modo detalhado os serviços que farão parte do processo de construção da ferrovia. Dentre as informações divulgadas sobre o assunto, estão as obras de drenagem, terraplanagem, estruturação do local, bem como a realização de desapropriações, sinalizações do espaço que será construído, atividades de engenharia e aquisição do material necessário ao funcionamento da área. Dessa forma, o especialista em Projetos de Infraestrutura ressalta que haverá uma grande movimentação de capital para a conclusão da ferrovia.

Representantes do governo afirmaram que o edital sobre a construção está previsto para ser publicado no início de 2018. O leilão, por sua vez, poderá ocorrer ainda no primeiro semestre do ano. Em relação ao sistema remuneratório que será implantado, ficou acordado que o prestador dos serviços de transporte (a concessionária) ficará com tal responsabilidade, assumindo também os riscos envolvidos no projeto.

Algumas projeções já foram anunciadas em relação aos serviços que serão demandados quando houver a conclusão da Ferrogrão. Felipe Montoro Jens aponta que há, já para 2020, a expectativa de que a ferrovia tenha a capacidade de transportar 25 milhões de toneladas de carga. Esse número, entretanto, poderá sofrer expressivos aumentos, alcançando até 2050 a marca de 42,3 milhões de toneladas transportadas anualmente.

Diversos gêneros alimentícios serão contemplados pelo aumento do transporte na região, tais como açúcar, soja e milho. Além disso, Felipe Montoro Jens salienta que o petróleo e seus derivados também poderão ser distribuídos para diversas outras regiões do país, assim como o etanol e alguns fertilizantes específicos.

 

Novos modelos da Apple poderão chegar em 2018

De acordo com a análise de Ming-Chi Kuo da empresa KGI Securities, a Apple deve ter um lançamento de mais três modelos de iPhone no ano de 2019. De acordo com a previsão o analista os dispositivos terão telas “infinitas”. Como sempre faz previsões certeiras, Kuo é ouvido pelo mercado. Dia 13, segunda-feira, Kuo enviou uma nota a investidores abordando maiores informações sobre os três modelos dos futuros novos smartphones da Apple.

Chamada inicialmente por Kuo de “iPhone X Plus”, a versão do aparelho será maior, com tela de OLED de 6,5 polegadas, enquanto a nova versão do iPhone X terá uma tela de OLED de 5,8 polegadas. A empresa terá modelos com tela LCD, que não teriam um tamanho da OLED, com 6,1 polegadas. Para o analista, esses novos aparelhos estariam sendo feitos para atingir um público que estão entres os intermediários no uso de smartphones.

Para ficar com um preço entre US$ 650 e US$ 750, o smartphone seria produzido com uma resolução inferior. De acordo com as previsões do analista Kuo, os principais recursos irão se manter como o Face ID, sensores e câmeras continuarão presentes no dispositivo, o botão de Home não faria parte dos novos aparelhos.

A previsão do lançamento dos três novos modelos é para o segundo semestre de 2018 e assim a Apple estaria em um ciclo vendas maior. Com as novidades tecnológicas que a Apple trouxe com o iPhone X, a cadeia de produção da empresa já deverá estar habituada com a fabricação dos aparelhos.

Neste ano a Apple lançou três modelos novos, entre eles o iPhone 8, com uma tela de LCD de 4,7 polegadas que foi vendido a US$ 679 nos EUA (no Brasil o valor é de R$ 4 mil), enquanto a versão 8 Plus, tem uma tela LCD de 5,5 polegadas que é vendida a US$ 749 nos EUA, e o terceiro aparelho, o iPhone X, com uma tela “infinita” de 5,8 polegadas feita de OLED, com recurso de reconhecimento facial e carregamento de bateria sem fio que está sendo vendida a US$ 999 nos Estados Unidos.

 

Acesso aos direitos fundamentais é reforçado pelo Bolsa Família

Os desafios e a busca de novos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável é um compromisso dos vários países, incluindo o Brasil, que juntos, fazem parte da Organização das Nações Unidas – ONU. No acordo é determinado uma agenda de longo prazo onde são listados temas fundamentais para a população do determinado país, tais como a erradicação da pobreza.

Uma das iniciativas que ajudam a alcançar a igualdade social, está no Bolsa Família. O Bolsa Família possibilita as famílias receberem todos os meses um valor em dinheiro que ajudam a aliviar um pouco a pobreza.

Ao participar do programa as famílias assumem um compromisso que envolvem a saúde e educação das crianças e gestantes. Sendo assim, essas condições garantem que os beneficiários tenham além do dinheiro, uma qualidade de vida garantida.

Em 2017, os acompanhamentos do programa chegaram a 75,2% das famílias que participam dessa categoria, porcentagem que corresponde a 8,7 milhões de famílias brasileiras.

Os resultados mostram que 5,7 milhões de crianças, com idade entre 0 e 7 anos tiveram as duas cadernetas de vacinas atualizadas e 387 mil gestantes fizeram o pré-natal de forma correta pelo Sistema Único de Saúde em parceria com o Ministério do Desenvolvimento Social.

A equipe de saúde da família dá apoio às famílias que tenham mulheres com idades entre 14 e 44 anos e também as crianças menores de sete anos. Eles são atendidos por serviços necessários para cumprir as condicionalidades do programa.

A famílias que não cumprem com as condições estabelecidas têm o cancelamento dos seus benefícios de maneira definitiva. Primeiramente, a família recebe uma advertência, que não interrompe o recebimento do benefício e se a situação se repetir no prazo de seis meses é realizado o bloqueio do benefício por um período de um mês. Se após o bloqueio ocorrer novamente o descumprimento no período de seis meses, o benefício é suspenso sem chances de reaver as parcelas.

O cancelamento ocorre somente em casos extremos de total descumprimento das condições e as famílias só são desligadas após passarem por um acompanhamento da assistência social da cidade.

Em 2017, foram 350 mil famílias que acabaram perdendo o benefício do programa por descumprimento das regras estabelecidas.

 

Estudo revela que ficar exposto ao ar de São Paulo por duas horas equivale a fumar um cigarro

A poluição do ar na cidade de São Paulo, em locais próximos aos fluxos intensos de veículos por duas horas é o mesmo que fumar um cigarro. Uma pessoa que ficou exposta ao ar dessa cidade por trinta anos, pode apresentar um pulmão equivalente a um fumante, que consumia no máximo dez cigarros diariamente.

Essas informações foram obtidas através de estudos, que têm como objetivo relacionar à exposição da população da cidade com a poluição existente no ar paulista, com as consequências causadas pelo cigarro.

Essa pesquisa é chefiada por Paulo Saldiva, médico patologista, que estuda os corpos levados ao SVO (Serviço de Verificação de Óbitos) e verifica os índices de carbono encontrados em cada pulmão, fazendo ao mesmo tempo um levantamento da vida que a pessoa levava antes de morrer.

Mariana Veras, bióloga da Faculdade de Medicina da USP ( Universidade de São Paulo) que trabalha no Laboratório de Poluição do Ar, explicou que anteriormente em uma necropsia quando os médicos encontravam um pulmão preto, apresentando altos índices de carbono, a conclusão que se chegava era que se tratava de um pulmão de um fumante. Atualmente não é isso que está acontecendo, o que demonstra que  o ar paulista está apresentando altos índices de poluição,  e que estão ocorrendo consequências cumulativas.

Informações dadas pelos parentes próximos estão auxiliando na pesquisa, que visa descobrir qual é a verdadeira realidade das pessoas que estão expostas à poluição do ar da cidade. Todos os dados são importantes, como onde moravam, onde trabalhavam, qual era a duração do percurso no trânsito realizado diariamente, se a pessoa fumava ou se era um fumante passivo.

Segundo Mariana Veras, pessoas que trabalham por exemplo, como guardas de trânsito ou como motoristas de caminhão, ficam muito mais expostos à poluição do que aquelas pessoas que somente ficam expostas, durante o seu deslocamento de casa até o trabalho. Os pesquisadores estão buscando a relação de um pulmão com quantidades altas de carbono, com o seu padrão de vida e o tempo que ele levava no seu deslocamento.

Foram analisados cerca de dois mil pulmões, sendo que 350 deles foram usados para fazer parte desse estudo, já que esses são os que possuem informações mais completas, sobre o dia a dia da pessoa quando ela estava viva.

O estudo está em sua fase final e deve ser concluído em algumas semanas, mas alguns dados foram adiantados por causa da Assembleia das Nações Unidas em razão do Meio Ambiente, em que o tópico é a luta contra a poluição.

 

Nova versão do Snapchat terá divisão de conteúdos de amigos e de influenciadores

O aplicativo Snapchat passou por uma nova reconfiguração após uma avaliação de seus desenvolvedores sobre as postagens de publicidade que são oferecidas aos usuários continuamente. A nova versão que já foi anunciada, agora conta com duas abas distintas que separam as postagens realizadas pelos amigos dos usuários das postagens realizadas por profissionais considerados influenciadores digitais.

A avaliação realizada pela empresa Snap, dona da Snapchat, considerou que os dois tipos de conteúdos não devem ser misturados. Segundo a Snap, a mistura de conteúdos criados por amigos e por influenciadores digitais, pode gerar diversos fenômenos, dentre eles as notícias falsas que são noticiadas erroneamente. A Snap ainda avaliou que: “isso faz como se tivéssemos de fazer performances para nossos amigos em vez de apenas nos expressarmos”.

Embora o anúncio tenha sido feito pela empresa, a Snap ainda não confirmou quando o Snapchat terá a nova versão disponibilizada para os usuários.

O cofundador do Snapchat, Evan Spiegel, e também presidente-executivo da empresa, disse sobre o caso: “Uma das reclamações sobre mídias sociais é que fotos e vídeos de seus amigos eram misturadas com conteúdo de publicadores e influenciadores”. Spiegel ainda afirmou que amigos não devem ser misturados com influenciadores de marketing: “Seus amigos não são conteúdo, eles são um relacionamento. É por isso que a partir de hoje vamos separar o ‘social’ da mídia.”

Segundo os desenvolvedores do aplicativo, as janelas de bate-papo e as chamadas Stories de amigos, as publicações dos usuários que possuem um prazo de validade, serão reagrupadas ao lado esquerdo do aplicado. Na aba que ficará a direita do aplicativo, os desenvolvedores avaliaram que o conteúdo exibido será o produzido por influenciadores. Já a área chamada de Discover, também passará por uma reformulação, dentre as mudanças está o nome que passará a ser Descubra.

O Descubra contará com publicações que tenham relação com a interação dos usuários. O que significa que cada usuário terá conteúdos configurados de acordo com as suas preferências, sendo assim o conteúdo mostrado será diferente para cada usuário.

A Snap ainda revelou sobre a nova versão: “Enquanto as Stories são personalizadas por um algoritmo, nossos curadores revisam e aprovam tudo que é promovido na página. Nós acreditamos que esse equilíbrio de revisões humanas e personalização de máquinas fornecem as melhores experiências móveis de conteúdo”.

 

Veículos que não possuem seguro chega a 80% da frota no Brasil

Com uma renda cada vez mais justa ao orçamento mensal o consumidor enfrenta dificuldades, e pensando nisso, as empresas que trabalham com seguro criaram produtos mais baratos com redução de exigências na aquisição de proteção para veículos. Alguns itens sofisticados deixaram de ser oferecidos ao consumidor devido a essa redução, como carro extra e proteção de vidros, por exemplo.

O total dos veículos que circulam sem seguro chega a ser 80% de toda a frota do país, um número alto devido aos preços dos serviços.

Um seguro contra roubo e furto foi colocado na praça pela multinacional israelense Ituran, com parcelas iniciais a partir de R$ 69,90. Essa categoria cobre perda total se o prejuízo for equivalente a 75% do valor do veículo. Esse produto é oferecido no mercado desde 2009.

Outras seguradoras como a Mapfre, Libert e QBE possuem opções semelhantes criando assim um novo mercado em seguros veiculares. Outra vantagem oferecida é que não é realizada análise de perfil do usuário, o que ajuda as pessoas com idade entre 18 e 40 anos e os que moram em locais onde existe um índice de criminalidade elevado.

De acordo com o diretor comercial da Ituran, Roberto Posternak, esse tipo de seguro custa de 50% a 60% menos para as pessoas com perfil ruim, que se encaixam os jovens, veículos fabricados a mais de 3 anos, pessoas que moram em locais com índices de roubos e furtos e os que utilizam o veículo com frequência. Posternak lembra também os que possuem restrição no nome e acabam não conseguindo ser atendidos pelas seguradoras.

A Ituran vem crescendo desde que iniciou as vendas do rastreamento com seguro com uma taxa de 30% ao ano. Atualmente a seguradora conta com 650 mil veículos ativos em sua base, e recuperou 45 mil veículos nos últimos anos o que equivale a R$ 2,5 bilhões.

Em 2016 foi regulamentado um seguro de carro mais barato pela Superintendência de Seguros Privados, a Suseo, conhecido pelo nome de Auto Popular. Outras empresas lançaram também proteções que utilizam, esporadicamente peças que já foram usadas ou que não são originais para reposição.